Pelo Direito a não viver em condição de pobreza

Hoje, celebra-se o Dia Internacional da Erradicação da Pobreza. A data foi comemorada pela primeira vez em 1992, com o objetivo de lembras as opiniões publicas e influenciar os responsáveis políticos para o combate à pobreza e às desigualdades sociais.

Podemos definir pobreza como uma negação do exercício pleno dos Direitos Humanos. Quando uma pessoa se encontra numa condição de pobreza esta não usufrui em pleno de todas as suas liberdades e capacidades, tratando-se assim de uma negação da dignidade e valor humano.

O índice de desenvolvimento humano (IDH) elaborado pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD) é um índice composto que mede a média de metas alcançadas num país em três dimensões básicas de desenvolvimento humano: uma vida longa e saudável, acesso à educação e condições de vida condignas.  Nesta linha de pensamento, o PNUD declara que a “pobreza é uma negação dos direitos humanos” e que, a eliminação da pobreza deveria ser promovida como um direito básico e como um direito humano fundamental– não meramente como um ato de caridade.  

No caso português, embora as estatísticas revelem que, a taxa de risco de pobreza tem vindo a descer nos últimos anos, a pobreza no país continua a ter uma dimensão preocupante, revelando-se como um fenómeno que persiste e afeta uma parte considerável da população, com uma taxa de risco de pobreza de 17,2% (INE, 2019).  

As transferências sociais são fulcrais para a redução do risco de pobreza tendo contribuído para a diminuição do risco de pobreza para os/as reformados/as. No entanto, o risco aumentou para a população empregada e desempregada.  De acordo com os dados do INE, em 2018, 10,8% dos/as trabalhadores/as estavam em risco de pobreza, o que significa que mesmo trabalhando as pessoas continuam pobres ou em risco de pobreza. Em termos de grupos etários, conseguimos estabelecer também um paralelismo. O grupo em maior risco de pobreza continua a ser o das crianças e jovens – 18,5%, refletindo a pobreza no seio das suas famílias, em especial, as famílias monoparentais e as famílias numerosas com três ou mais filhos/as. Para as famílias que têm crianças a cargo a vulnerabilidade para a condição de pobreza aumenta.

 Embora ainda não tenhamos dados oficiais, tem sido relatado que o número de pessoas pobres e que passam fome tem vindo a aumentar, em resultado das consequências da pandemia COVID-19, que levou a situações de desemprego, perda ou diminuição considerável de rendimentos (layoff e análogos) não conseguindo fazer face ao maior montante de despesas em Portugal: a habitação, alimentação e despesas de agua, luz e gás.

É urgente a implementação de uma estratégia para erradicação da pobreza. É certo que, o baixo rendimento das pessoas é condição de pobreza ou vulnerabilidade e embora os apoios sociais sejam fulcrais não devem ser entendidos como único motor da solução. É necessária uma ação concertada que permita a capacidade de aceder a direitos fundamentais como o trabalho, saúde, cultura, segurança, habitação, educação, participação e cidadania de forma a que as opções de vida e futura sejam determinadas livremente. Para tal, é essencial aumentar os salários mínimos e médios e reforçar a proteção social através do investimento em políticas publicas sociais, fiscais e económicas mais justas e redistributivas, de forma a promover uma vida digna a todas as pessoas.

Artigo Redigido por Cátia Fernandes

Publicado por SDDH/AAC

A SDDH/AAC é uma das dezasseis secções culturais da Associação Académica de Coimbra. Fundada em 1997 encontrou-se, desde logo, na causa da sensibilização e promoção dos direitos humanos junto da comunidade académica, mas não só. Desde o início, o seu objetivo principal foi o da denúncia das diversas violações de Direitos Humanos, através da informação, formação e educação de todas as temáticas relacionadas com estes, tendo como público-alvo o estudante universitário de Coimbra. Neste sentido, a SDDH/AAC realiza projetos “para os estudantes e pelos estudantes” tentando chegar cada vez mais perto dos seus pares, incentivando um espírito crítico, atento e ativo perante as problemáticas que ocupam a atualidade no âmbito dos direitos humanos. Desenvolvem-se projetos com formatos diversificados, procurando corresponder às várias recetividades encontradas no meio académico. Ao mesmo tempo, a SDDH/AAC procura desenvolver parcerias com instituições e entidades da cidade de Coimbra com missão semelhante de forma a contribuir para a sensibilização, educação e formação a nível local e nacional. A Secção tem uma presença ativa nas redes sociais, característica que se advinha essencial na pretensão de chegar aos estudantes e de promover o ativismo junto da juventude. A equipa é constituída por estudantes das mais variadas áreas, desde as ciências sociais às ciências da saúde, passando pelas ciências exatas. O trabalho é desenvolvido em equipa no sentido de promover o desenvolvimento de soft skills e o profissionalismo. Todos os sócios contribuem de forma voluntária nos projetos do seu interesse, permitindo que todos possam propor, coordenar e participar em causas que lhes sejam próximas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: