SDDH-GOLD

Por Inês Lopes

Não salvei o mundo… mas foi por pouco! A verdade é que a SDDH/AAC acabou
por ser o meu melhor mundo, e foi ela que fez de Coimbra para mim aquela
Coimbra de que todos sempre falam.
Pequenina, mas cheia de vontade, tal como eu, a ‘secção dos Direitos Humanos’
(como lhe chamavam carinhosamente os preguiçosos da Cultura) tinha todo o
potencial para ser uma escola de concretização de sonhos nobres, que tanto
muitos de nós procuram quando chegam à faculdade.
Suprimida a ingénua falta de organização, inovação e diversidade, a deslocada
sala do quinto piso rapidamente se tornou a minha segunda casa, e lá de cima,
todas as quintas-feiras à noite, via o novo jardim do edifício da AAC encher.
Quando todos resolvíamos ir para casa, não era só o cartão de sócia e a descida
das escadas que me distinguia dos de copo na mão junto dos seguranças, mas
também um sentimento de importância altamente egoísta, de quem faz o que
gosta da maneira que gosta, ainda para mais de borla. Um privilégio.
Preparem-se aqueles que vêm entusiastas, que muito mato há para desbravar.
Junto das ONGs citadinas nem sempre o estereótipo do estudante ajuda, assim
como na Queima nem sempre o Panda chega para dar sentido à nossa
existência… mas entre pares tão diferentes de comum intenção partilhada, nasce
com sorte uma família, daquelas que fazem das nossas maiores desilusões
meras piadas futuras e dos fracassos altares para ‘fazer a diferença’.
De coração aberto à academia, os utópicos há muito deixaram de ser as inúteis
boas pessoas… e no grupo querem-se humanistas inteligentes, informados,
eficazes e humildes, que aos poucos, como sempre na História, alcançam
devagar, mas bem.
Pequena nas promessas de poder preto e branco e grande no respeito pelos que
para si e por si continuam a trabalhar, foi na Secção que desenvolvi método,
estratégia e resiliência; onde senti boa-vontade, sacrifício e genuinidade; e de
onde, cansada, cheguei a casa de coração inchado.
Direitos ou esquerdos, porque só com humor se leva aos ombros as maiores
atrocidades do vizinho, os Humanos passaram a ser a paisagem que Proust
falava e os meus olhos, nunca mais os mesmos, o éter alquimista que sempre
procurei nesta cidade.
Espero que a Defesa nunca lhe seja retirada, para que aqueles que queiram vir
salvar o mundo tenham sempre um lugar onde o tentar… e falhar, mas por pouco!
Saudações humanistas e saudosistas de quem foi suprema de brincadeira e
companheira de verdade dos mais inteiros estudantes de Coimbra.
Inês Marques Lopes,
(CCI para quem gosta de rebuçados)

Publicado por SDDH/AAC

A SDDH/AAC é uma das dezasseis secções culturais da Associação Académica de Coimbra. Fundada em 1997 encontrou-se, desde logo, na causa da sensibilização e promoção dos direitos humanos junto da comunidade académica, mas não só. Desde o início, o seu objetivo principal foi o da denúncia das diversas violações de Direitos Humanos, através da informação, formação e educação de todas as temáticas relacionadas com estes, tendo como público-alvo o estudante universitário de Coimbra. Neste sentido, a SDDH/AAC realiza projetos “para os estudantes e pelos estudantes” tentando chegar cada vez mais perto dos seus pares, incentivando um espírito crítico, atento e ativo perante as problemáticas que ocupam a atualidade no âmbito dos direitos humanos. Desenvolvem-se projetos com formatos diversificados, procurando corresponder às várias recetividades encontradas no meio académico. Ao mesmo tempo, a SDDH/AAC procura desenvolver parcerias com instituições e entidades da cidade de Coimbra com missão semelhante de forma a contribuir para a sensibilização, educação e formação a nível local e nacional. A Secção tem uma presença ativa nas redes sociais, característica que se advinha essencial na pretensão de chegar aos estudantes e de promover o ativismo junto da juventude. A equipa é constituída por estudantes das mais variadas áreas, desde as ciências sociais às ciências da saúde, passando pelas ciências exatas. O trabalho é desenvolvido em equipa no sentido de promover o desenvolvimento de soft skills e o profissionalismo. Todos os sócios contribuem de forma voluntária nos projetos do seu interesse, permitindo que todos possam propor, coordenar e participar em causas que lhes sejam próximas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: