SDDH-GOLD

Por Inês Lopes

Não salvei o mundo… mas foi por pouco! A verdade é que a SDDH/AAC acabou
por ser o meu melhor mundo, e foi ela que fez de Coimbra para mim aquela
Coimbra de que todos sempre falam.
Pequenina, mas cheia de vontade, tal como eu, a ‘secção dos Direitos Humanos’
(como lhe chamavam carinhosamente os preguiçosos da Cultura) tinha todo o
potencial para ser uma escola de concretização de sonhos nobres, que tanto
muitos de nós procuram quando chegam à faculdade.
Suprimida a ingénua falta de organização, inovação e diversidade, a deslocada
sala do quinto piso rapidamente se tornou a minha segunda casa, e lá de cima,
todas as quintas-feiras à noite, via o novo jardim do edifício da AAC encher.
Quando todos resolvíamos ir para casa, não era só o cartão de sócia e a descida
das escadas que me distinguia dos de copo na mão junto dos seguranças, mas
também um sentimento de importância altamente egoísta, de quem faz o que
gosta da maneira que gosta, ainda para mais de borla. Um privilégio.
Preparem-se aqueles que vêm entusiastas, que muito mato há para desbravar.
Junto das ONGs citadinas nem sempre o estereótipo do estudante ajuda, assim
como na Queima nem sempre o Panda chega para dar sentido à nossa
existência… mas entre pares tão diferentes de comum intenção partilhada, nasce
com sorte uma família, daquelas que fazem das nossas maiores desilusões
meras piadas futuras e dos fracassos altares para ‘fazer a diferença’.
De coração aberto à academia, os utópicos há muito deixaram de ser as inúteis
boas pessoas… e no grupo querem-se humanistas inteligentes, informados,
eficazes e humildes, que aos poucos, como sempre na História, alcançam
devagar, mas bem.
Pequena nas promessas de poder preto e branco e grande no respeito pelos que
para si e por si continuam a trabalhar, foi na Secção que desenvolvi método,
estratégia e resiliência; onde senti boa-vontade, sacrifício e genuinidade; e de
onde, cansada, cheguei a casa de coração inchado.
Direitos ou esquerdos, porque só com humor se leva aos ombros as maiores
atrocidades do vizinho, os Humanos passaram a ser a paisagem que Proust
falava e os meus olhos, nunca mais os mesmos, o éter alquimista que sempre
procurei nesta cidade.
Espero que a Defesa nunca lhe seja retirada, para que aqueles que queiram vir
salvar o mundo tenham sempre um lugar onde o tentar… e falhar, mas por pouco!
Saudações humanistas e saudosistas de quem foi suprema de brincadeira e
companheira de verdade dos mais inteiros estudantes de Coimbra.
Inês Marques Lopes,
(CCI para quem gosta de rebuçados)


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s