Quando o brilho de um Nobel da Paz se apaga

            A história de Myamar nunca foi das mais simples a ser explicada. Ela esteve marcada por lutas por poder entre as inúmeras etnias, por subordinação à impérios coloniais e, por uma ditatura que durou mais de 50 anos.

             Desta ditadura, surgiu Aung San Suu Kyi, também conhecida como dama, símbolo da defesa dos direitos humanos na Ásia. Entretanto, quando se trata das minorias existentes em seu país, especialmente em relação à minoria Rohinhgya, essa determinação e vontade de lutar pelos direitos humanos parece se desvanecer.

       Filha do herói nacional da indepêndencia de Myamar, General Aung Sand e da embaixadora de Myamar na Índia, Khin Kyi, Aung San Suu Kyi foi a principal opositora do ditadura militar que se manteve no seu país até 2015. Fez isto, através de um movimento pacífico organizando comícios e viagens pelo país a exigir uma reforma democrática e eleições livres. Por esta luta pela democracia, ela ganhou um Nobel da Paz em 1991.

      Não é a primeira vez que a minoria Rohingya sofre pela violência do exército birmanês e gera uma fuga em massa para Bangladesh, o que já aconteceu outras três vezes. Entretanto, o que diferencia esta das outras, é que o exército birmânes está com um projeto de limpeza étnica muito mais organizado e de carácter definitivo.

          Já sem direito à nacionalidade birmanêsa desde 1982, e com restrições à liberdade de movimento, à eduçação e à saúde. Agora, o último direito que restou está lhes sendo retirado: a sua própria existência como etnia. O que segundo a ONU, acabou por se tornar uma das mais graves crises humanitárias deste século, tendo cerca de 700 mil rohingyas em campos de refugiados em Bangladesh.

          Uma serie de ataques feito por um grupo militante Rohingya que causou a morte de 12 militares oi a razão para tanta violência. Entretanto, isto não justifica os ataques à 471 aldeias, o estupro de mulheres e a morte de civis e em especial, de crianças.

          E onde está a “carismática dama” Suu Kyi no meio deste conflito? Atualmente, ela é Conselheira de Estado, cargo que foi criado para contornar a lei que a proíbe de ser presidente, por ter sido casada com um estrangeiro, e está a utilizar da sua autoridade moral e política para negar a existência não só dos atos cometidos pelo exército como também a própria identidade da minoria Rohingya.

   Com isso, tanto a ONU como outros ganhadores do Nobel da Paz, como Malala Yousafzai passaram a questionar e até mesmo condenar as suas acções neste conflito étnico. O brilho da dama se apagou aos olhos da comunidade internacional ao negar a outros os direitos que ela própria reivindicou para si mesma.

Yasmin Calandrini

 


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s